UnB abraça causa do 33º Congresso da ABES



“Como o saneamento é um direito à vida e o compromisso social e a promoção de uma sociedade mais justa são objetivos da UnB, é uma honra dar apoio ao Congresso da ABES”. Foi com essas palavras que Paulo César Marques, chefe de gabinete da reitora da UnB, Márcia Abrahão, recebeu ontem, 21 de julho, em reunião online, a comitiva da direção da ABES/DF ontem, formada pela presidente Kátia Campos, a diretora Cristina Brandão, que é professora da UnB, e o ex-presidente Sérgio Gonçalves. “Há um diálogo muito forte entre o objetivo do Congresso e a própria razão de ser da UnB”, afirmou Paulo César.


Paulo César destacou a importância da ABES enquanto associação e o porte do Congresso que acontecerá em Brasília em 2025. Ele disse que há muitos pesquisadores da universidade envolvidos nessa área e que será uma oportunidade para a UnB contribuir para que o Congresso “tenha essa cara de garantia de direitos, cara muito cara à Universidade de Brasília”.


Paulo César relatou que a UnB tem programas que acentuam a aproximação da universidade com a comunidade e que o Congresso pode ajudar muito nesse tipo de inserção. O chefe de gabinete disse que a reitora Márcia Abrahão irá encaminhar uma carta formal de apoio institucional à realização do Congresso e, em seguida, será criada uma comissão integradora com a ABES para mobilizar a comunidade universitária para a preparação do 33º CBESA em 2025. Ele citou a recém criada Secretaria de Meio Ambiente da UnB para ajudar a mapear as diversas áreas de conhecimento que congregam pesquisadores que têm relação com a sustentabilidade e o meio ambiente.


De imediato, ele pensa em aproveitar o embalo da realização da 74ª reunião anual da SBPC, que acontece na UnB a partir da próxima semana (24 a 30 de julho) para engajar a comissão organizadora na preparação do Congresso da ABES. “É uma parceria que enriquece a todos”, disse, sinalizando com nova conversa em breve, com a participação da reitora Márcia Abrahão, que não pôde estar presente na reunião de ontem, como pretendia.


Kátia Campos considerou excelente a perspectiva da participação da UnB, principalmente porque ela tem potencial para ir muito além da produção de trabalhos científicos para o congresso e se transformar em uma parceria efetiva para fortalecer a luta pela universalização do saneamento. “Uma ideia é construir uma atividade conjunta, como um trabalho de extensão vinculado à questão do saneamento para ser implantado e apresentado no congresso. E também constituir um grupo de trabalho junto com a ABES para estimular a participação dos alunos e professores na produção de trabalhos científicos”.


Sérgio Gonçalves também fez uma avaliação muito positiva da reunião: “Pudemos envolver a alta direção da UnB com compromisso de parceria e de atividades que serão apoiadas e realizadas durante o congresso”.

A diretora Cristina também ficou satisfeita com o primeiro passo. “Agora vamos ver como interagir com um grupo maior na UnB e pensar no fortalecimento e na integração das duas instituições visando à participação intensa da Universidade no Congresso”.