top of page

"Abes Conecta é o ponto de encontro do saneamento"

Atualizado: 4 de set. de 2023

Superintendentes da CAESB destacam a inovação na atuação da empresa de saneamento do DF.



Três apresentações técnicas da CAESB, com grande volume de informações, marcaram o ABES Conecta do dia 4 de setembro, intitulado "Congresso da ABES 2023: participação da CAESB e expectativas para a edição 2025 no Distrito Federal". A retomada do debate dos temas apresentados pela CAESB no 32º CBESA faz parte da estratégia de preparação para a edição de 2025 do Congresso, que será realizado em Brasília pela ABES/DF.

O presidente da ABES/DF Fuad Moura, conduziu a webinar da ABES Conecta, que chamou de "ponto de encontro do saneamento", alertando para a atuação da CAESB, que atende a 3,1 milhões de pessoas, com índice de 99% para abastecimento e água e de 92,3% para esgotamento sanitário. Ele citou que a empresa possui 15 Estações de tratamento de Esgoto (ETE) e 13 de água (ETA), uma rede de 9,6 mil km de água e de 7.619 km de esgoto. O presidente da ABES/DF ressaltou a importância da parceria constante da CAESB com universidades e centros de pesquisa, em especial com o Programa de tecnologia ambiental e recursos hídricos da UNB, para catalisar a implantação de processos avançados na empresa.


Inovações

Nas três palestras apresentadas no webinar, foram lembrados alguns momentos marcantes da trajetória da CAESB, como a despoluição do Lago Paranoá, nas décadas 80 e 90 e o enfrentamento da crise hídrica de seis anos atrás. Diogo Gebrin, superintendente de Produção de Água da empresa, detalhou o processo de construção da estação de tratamento de água com membranas de ultrafiltração, para enfrentar a crise hídrica de 2016/18. Com muitas manchetes na mídia e pressão para solucionar a questão, Gebrin diz que "a Caesb ousou com a construção em tempo recorde da ETA por processo de ultrafiltração, obtendo um resultado bastante satisfatório". A ETA foi pensada em fevereiro de 2017 e em outubro do mesmo ano já estava em operação, captando 700 l/s do Lago Paranoá. "Plano de fornecimento, estrutura de apoio, adutora de água bruta captação e elevatória, tudo compactado em um cronograma de 120 dias", explicou.

A ETA Lago Norte, com operação toda automatizada, captação flutuante com quatro bombas centrífugas verticais, obteve qualidade constante da água, com índices de 0,04 de turbidez, e se tornou referência nacional e internacional. Os resultados foram tão positivos que no ano seguinte foi construída outra ETA no Gama e há intenção de implantar mais duas ETAS de ultrafiltração de menor porte.

Tratamentos de efluentes

A superintendente de Tratamento de Esgoto da CAESB, Ana Maria Mota, a segunda palestrante da webinar, discorreu sobre inovação em sistemas avançados de tratamento de efluentes. Ana Maria lembrou que a localização do DF em região de altiplano, em que a água é de muito boa qualidade, mas em baixa quantidade, foi determinante para a definição de tecnologias. Para se ter ideia, o DF ocupa a 25ª posição em disponibilidade hídrica entre as 27 unidades da federação.

A CAESB realiza tratamento de esgoto a nível avançado, sendo 87% de tratamento nível terciário e 13% secundário. A rede de tratamento é composta por 100 estações elevatórias, 15 estações de tratamento no DF e mais a unidade de Águas Lindas, em Goiás, na bacia do rio Descoberto, em parceria com a Saneago, a empresa de saneamento de Goiás.

Ana Maria lembrou que em 1990 foi lançado o Plano recuperação Lago Paranoá, passando das quatro ETES existentes para 15 em 2005, com mais de 90% da população atendida e o Lago Paranoá completamente despoluído. Para ela, o sucesso da atuação da CAESB está na diversificação de tecnologias de tratamento.

A superintendente citou a adoção de automação e segurança operacional para diagnósticos mais precisos, maior agilidade na correção e garantia de qualidade do efluente lançado e o uso de inteligência artificial para a dosagem de produtos químicos. Mas – disse, ainda há desafios: " melhorar a eficiência dos sistemas instalados e ampliar o tratamento no nível terciário".


Novas tecnologias

Encerrando as apresentações, o superintendente de Gestão Operacional e Inovação, Cristiano Gouveia, falou sobre as perspectivas de aperfeiçoamento com as novas tecnologias. Ele explicou que o desenvolvimento operacional e a inovação contribuem para deixar os sistemas mais seguros para a população e para o meio ambiente, com menos custos. Segundo Cristiano, o esforço para deixar os sistemas dos diferentes mananciais mais integrados e flexíveis garante segurança hídrica para a população do DF. "Atualmente, um terço da população pode ser abastecida por diferentes mananciais de grande porte, como ocorreu na região do Guará e Candangolândia, que até há pouco tempo era abastecida apenas pelo Descoberto e hoje pode ser abastecida também por Santa Maria e Bananal".

Por trás disso tudo está um robusto sistema supervisório industrial, que recebe todas as informações em tempo real para subsidiar as decisões. "O setor de saneamento precisa se posicionar como setor industrial moderno, que tem interface com big data. O volume de dados é significativo, tem valor social e de negócio e precisa de análise e consistência para serem utilizados", explica Cristiano, para quem ir além da análise descritiva e consolidar a análise preditiva, que estuda comportamentos para gerar cenários, e a prescritiva, que define a estratégia para planejar a solução do problema encontrado.

Cristiano lembra que o grau de acurácia cresce na medida em que melhora a qualidade da base de dados, que inicialmente não foi construída para fazer a integração. "Tudo converge para integração de novas ferramentas e novas tecnologias para ter processos mais ágeis e assertivos", diz.


Chamado à filiação

Ao encerrar a webinar, Fuad Moura ressaltou a importância dos profissionais da CAESB se filiarem à ABES, descrevendo a série de vantagens em fazer parte de uma rede de mais de 10 mil especialistas no Brasil, com parcerias internacionais e muitos cursos, capacitações e eventos técnicos. "É importante juntarmos forças para preparar o próximo Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, que será em Brasília, em 2025", lembrou Fuad.

A gravação da webinar está disponível no canal da ABES Saneamento, no Youtube.


Posts recentes

Ver tudo

Σχόλια


bottom of page