top of page

A privatização da água é uma ameaça à saúde global

Por Jacobin| 03 de novembro de 2023


Foto: Reprodução/Steve Johnson / Unsplash


Nos acostumamos com o impulso insaciável do capitalismo de privatizar tudo, mas a frase “privatização da água” é uma que muitos de nós acham particularmente irritante. Como um recurso tão básico pode ser capturado por um pequeno punhado de corporações para produzir lucro para poucos, às custas de cada pessoa no planeta? 


Ainda assim, a privatização da água está se expandindo em todo o mundo e com efeitos devastadores: o despejo de resíduos no Sul Global, o vazamentos de esgoto em corpos d’água que abastecem comunidades mais pobres e a escassez contínua – tudo durante a maior crise climática que os humanos já viram. Os suprimentos de água doce estão secando rapidamente, com as mudanças climáticas como força motriz por trás do aumento do nível do mar e das fronteiras físicas alteradas. 


Enquanto isso, espera-se que a demanda de água cresça 55% até o ano de 2050 – tornando-se particularmente alarmante em um momento de escassez mundial de água devido ao aumento da demanda por serviços de água e saneamento durante a pandemia. Os provedores de serviços exigem um fornecimento contínuo de produtos químicos necessários para testes e tratamento de água e águas residuais, apresentando desafios em países onde o tratamento de águas residuais permanece limitado. Em países árabes como o Iêmen, o estresse hídrico aumentou, devido à maior alocação de recursos hídricos no setor agrícola para compensar as baixas exportações de alimentos.



O conteúdo de CartaCapital está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Essa defesa é necessária para manter o jornalismo corajoso e transparente de CartaCapital vivo e acessível a todos.





Comments


bottom of page